História do Vinho – Parte 1

Mais antigo do que se pode imaginar, o vinho acompanha toda a evolução político-econômica e sociocultural de muitos povos orientais e ocidentais. Circundada por várias lendas, torna-se difícil apontar a real origem, mas a grande tendência é a de arriscar que o vinho nasceu por acaso, quando alguém deixou um punhado de uvas em um recipiente e teriam fermentado espontaneamente.

Para a ciência, há os seguintes indícios e fatos: 6 mil AC, são plantadas as primeiras videiras; 6 a 3 mil a.C, aparecem os rastros moleculares do vinho; 4 mil a.C, surgem as primeiras prensas das uvas; 3 mil a.C, são encontradas as primeiras vilas ao redor das plantações de uvas; em 1550, surgem as primeiras plantações na América; em 1863, aparece o pulgão filoxera que devasta as plantações mundiais; em 1870, iniciam-se enxertos com as uvas americanas para banir a filoxera.

Na versão cristã do antigo testamento, Noé plantou uma videira assim que chegou no Monte Ararat (atualmente na Turquia) e produziu o primeiro vinho do mundo. Gostou tanto que exagerou e precisou do amparo dos filhos (Gênesis 9:20-25).

No Egito, há pinturas e documentos dos processos de vinificação e consumo nas celebrações e rituais em 3000 a.C (daqui a dedução de que o vinho surgiu antes da escrita). Os faraós ofereciam vinhos e incendiavam os vinhedos para os deuses, enquanto os sacerdotes usavam em rituais e os nobres, em festas de todos os tipos. O consumo de vinho no Egito impulsionou o comércio interno e externo. E, certamente, os primeiros enólogos foram egípcios.

Propagado pela Europa Mediterrânea, o vinho chegou à Grécia: provavelmente lá se produziu vinho na região da atual Georgia (norte da Grécia) e, cultivado ao longo da costa, o vinho se tornou vital elemento cultural e econômico para o desenvolvimento. Na mitologia, a bebida era a própria dádiva dos deuses: filho de Zeus, o deus Dioniso (Baco na mitologia romana) era o responsável pelo cultivo da uva e tinha o domínio das técnicas de produção.

A partir de 1000 a.C., os gregos começam a plantar videiras em outras regiões europeias: Itália, Sicília, Península Ibérica e França. Na Itália, o Império Romano levou vinho para todos os lugares que invadiu, talvez como forma de impor costumes e cultura. Predileção para o vinho doce, os romanos colhiam tardiamente as uvas para concentrar mais açúcar (técnica da “passificação” da uva). Diferentemente dos gregos (armazenavam o vinho em ânforas), os romanos envelheciam o vinho em barris de madeira, para aprimorar o sabor.

Assim, se considerarmos que o vinho daquelas épocas possuía gosto bastante incomum (geralmente ingerido com água, mel e outras ervas para disfarçar o gosto original), vinhos bons são os que bebemos hoje, a exemplo dos nossos premiados InSSieme e AluSSinante!

Salute per tutti!

Compartilhe nas redes sociais e delicie-se

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Categorias

InSSieme Wine
IGT Toscana

AluSSinante Wine
IGT Toscana

premiações vinho alussinante

InSSieme Wine
IGT Toscana

AluSSinante Wine
IGT Toscana

premiações vinho alussinante

Podere Scaparzi

Podere Scaparzi

Fale Conosco

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

Ficha técnica

Ficha técnica