Império Romano

Considerado o mais conhecido da história da Humanidade, o grande Império Romano durou 5 séculos: de 27 a.C. a 476 d.C. A palavra império deriva do latim “Imperator”: “aquele que manda”.

Resultado de crise que Roma enfrentou nos dois últimos séculos da república então vigente à época (convulsões sociais, revoltas de escravos, disputas de poder, guerras civis), instalou-se demanda por centralização de poder: saiu das mãos do Senado diretamente para o imperador, e com apoio do povo – importantíssimo para o período.

Assim, a cidade-estado passou a ser governada por imperadores que, juntamente com um atuante e legionário exército de astutos generais, tratou de expandir poderio ao Mediterrâneo sob golpes militares. O império chegou a ter mais de 50 milhões de habitantes sob sua proteção, com exército de apenas 390 mil homens.

Otávio Augusto foi o primeiro imperador romano, governou por 41 anos e acrescentou muitos territórios ao império. Outros de destaque: Cláudio (conquistou parte da Grã-Bretanha); Nero (excêntrico e louco, assassinou a mãe e a irmã, condenou muitos cristãos à morte e foi acusado de incêndio de grandes proporções em Roma); Tito (conhecido pela destruição do templo do Rei Salomão); Trajano (grande conquistador da maior extensão do império) ; Adriano (construiu muralha com seu nome no norte da Grã-Bretanha, para conter os bárbaros); Diocleciano (dividiu o império em oriental e ocidental); Constantino (proibiu perseguição aos cristãos, uniu novamente o império e escolheu Bizâncio como capital, rebatizada como Constantinopla); Rômulo Augusto (último imperador de Roma).

Em virtude da adoração como deuses (politeísmo), aos imperadores eram destinados grandes monumentos: erguiam-se arcos dos triunfos e edificações como homenagens e reverências. Há que se dizer também do aspecto multicultural do império, das grandes transformações e da grande movimentação da economia: o Coliseu é exemplo da construção de grandes monumentos.

No apogeu, o império havia incorporado muitos povos: os hebreus no Oriente Médio, os gauleses na França, os bretões na Inglaterra, gregos e egípcios na região do Mediterrâneo. Neste contexto, nasceu Jesus: monoteísta que gerou grande embate em um império que cultuava imperadores como deuses e que acabou por crucificá-lo. A perseguição aos cristãos durou séculos, até que o Imperador Constantino concedeu a liberdade de culto aos cristãos, converteu-se ao Cristianismo e passou a adotar a religião principal de todo o império. Aqui, Igreja e o Estado passaram a se confundir e o Cristianismo passou a ser a base do Império Romano.

A queda do império se deu às grandes dificuldades de administração no vasto território já assolado por corrupção, dificuldades em conter invasões dos bárbaros, elevados impostos, escassez de escravos e expansão do Cristianismo frente ao politeísmo de séculos.

A queda do Império Romano deu início à Idade Média, por volta do século V.

A Itália e a Villa Due SS esperam por você.

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe nas redes sociais e delicie-se

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Categorias

InSSieme Wine
IGT Toscana

AluSSinante Wine
IGT Toscana

premiações vinho alussinante

InSSieme Wine
IGT Toscana

AluSSinante Wine
IGT Toscana

premiações vinho alussinante

Fale Conosco

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

Ficha técnica

Ficha técnica